Morgan Freeman: 5 coisas que aprendi a ter fibromialgia

Eu aprendi muito com a fibromialgia. 
Algumas são coisas que eu nunca teria experimentado, enquanto outras me fizeram uma pessoa melhor. 
Aqui estão as cinco coisas que aprendi:

1. Não há problema em dizer “não”. 
Eu passei a maior parte da minha vida tentando agradar a todos, então eu raramente pronunciava a palavra “Não”. 
Agora parece a única resposta para todas as perguntas que me perguntam. 
Dizendo não, era algo que ele odiava fazer. 
Eu senti como se estivesse deixando as pessoas. 
Aprender a dizer isso e não se sentir culpado era difícil.

Percebi que meu corpo não me permite fazer tudo que eu gostaria. 
Não é minha culpa e eu não deveria me sentir culpado por isso. 
Eu não sou mais um voluntário, nem me inscrevo para eventos ou projetos, porque nem sempre posso cumprir meus compromissos.

Eu odeio cancelar no último minuto, mas às vezes é necessário. 
Conversei com familiares e amigos para que eles entendam que há momentos em que não consigo fazer o que foi planejado por causa da minha saúde. 
Se você não entende, é problema seu, não meu.

2. Nem todos os médicos sabem o que estão fazendo. 
Os médicos são pessoas normais. 
Eles cometem erros. Eles não sabem tudo. 
Eles têm dias ruins e às vezes tomam decisões que não deveriam. 
Se eu acho que um médico não entende o que estou dizendo ou não me escuta, estou saindo.

É hora de um novo médico. Conseguir uma segunda, ou até uma terceira opinião, não é uma coisa ruim. 
Se não me sinto bem, vou a outro lugar. 
Minha saúde depende dos médicos que estão bem informados e que tomam o tempo para me ouvir.

3. Ouça seu corpo. 
Eu odeio admitir isso, mas causei parte da minha dor e sofrimento. 
Eu não escutei meu corpo quando deveria. 
Se eu tenho muita dor, agora descanse. Eu não me empurro como quando era mais jovem. 
Estar em sintonia com seu corpo é uma das melhores maneiras de saber quando uma crise está por vir. Eu tenho sinais indicativos que eu procuro. 
Dores de cabeça e ombros são frequentemente os primeiros indicadores de que uma crise está próxima. 
Eu não posso pará-lo, mas eu posso estar preparado para isso.

4. Descobri quem são meus amigos verdadeiros. 
Eu perdi amigos e familiares por causa da minha doença. 
Eu aprendi da maneira mais difícil quem realmente se importa comigo. 
Eu cortei algumas pessoas porque ficar perto delas era ruim para sua saúde. 
Por que eu quero apresentar a negatividade e acusações? 
Eu prefiro pessoas que me constroem, não aquelas que me derrubam.

5. Eu não estou sozinho. 
E você também não. Quando comecei a sentir sintomas, os computadores e a Internet não existiam.

Agora nós temos o mundo ao nosso alcance. 
Grupos de apoio on-line têm sido uma fonte de amizade e amor. 
Há muitos que se sentem como eu em todo o mundo … Agora eu tenho amigos com quem posso expressar meus sentimentos, o que eu acho purificador. 
Eu valorizo ​​os amigos que fiz online.

Eu conheci alguns incríveis guerreiros da fibromialgia, que me ensinaram mais sobre essa doença e também me mostraram que eu ainda me importo! 
Minha doença não me define, mas mudou minha vida de maneiras que nunca imaginei.

Tomando o tempo para realmente pensar sobre o que a fibromialgia me ensinou me deu uma nova apreciação da vida. 
Ver como eu evoluí ao longo dos anos não é tão deprimente quanto eu pensava que seria. 
Mesmo tendo sofrido fisicamente e emocionalmente, sou uma pessoa mais forte por esse motivo.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *